O POVO ENTREVISTA CHICO GUALBERNEI

21 01 2010

Fica a dica de hoje. O jornal O Povo fez uma entrevista com o publicitário Chico Gualbernei, da Verve Comunicação, sobre um lado pouco discutido das agências: o lado empresarial, o lado do negócio. Abaixo, você confere na íntegra:





2010, O ANO DA VIRADA?

18 01 2010

A crise mundial já passou e não deixou mínima saudade. Como diz a velha máxima “depois da tempestade vem a bonança”, as agências apostam em 2010 como o ano de crescimento.

Foi nesse clima que o DN de hoje publicou entrevista com três diretores de grandes agências do Ceará. Sérgio Fiuza, da Slogan; Orlando Mota, da Mota; e Evandro Colares, da Advance; contam para o mercado suas expectativas para esse ano que surge com mares mais calmos.





PAINEL DE 2009: O QUE ROLOU NA PROPAGANDA SEGUNDO 3 DIRETORES

11 01 2010

Fica a dica de matéria de hoje. No Diário do Nordeste, três diretores (PHD, Íntegra e Bolero) contam como foi o ano passado, os desafios e conquistas. Confira abaixo:

Concordo com alguns pontos:

– Dependência de contas do varejo e governo: realmente é assustador a necessidade de se ter contas assim na carteira. Questão até de sobrevivência.

– Pânico dos anunciantes: muitas vezes a atitude conservadora (entenda-se não anunciar) não era embasada em fatos concretos de mercado e sim pelo temor.

– É na crise que se cresce: assim como na alta do PIB, na deflação, no sucesso econômico… Todo momento é momento de crescer e as agências tem que impor seu papel frente aos anunciantes.

Contudo, discordo num ponto:

– Crise não afetou o mercado cearense: não foi como em Detroit, onde a cidade viu seu progresso ruir, mas o cenário econômico ficou instável e conservador. Não há como negar.





O POVO ENTREVISTA ANDREY OHAMA

10 12 2009

Vale muito a pena conferir a entrevista que o Povo fez com o Andrey Ohama da 101º Macaco. Segua abaixo, na íntegra:





O POVO: BATE-PRONTO COM MOTA

3 12 2009

Saiu hoje no jornal O Povo uma conversa com o publicitário Orlando Mota, da Mota Comunicação. Criatividade, dia mundial da propaganda, cenário da publicidade nordestina, sede própria para o Sinapro e o FestPro foram alguns dos assuntos. Vejam abaixon na íntegra:

Amanhã (4), é o Dia Mundial da Propaganda. Na data, os publicitários – principalmente os brasileiros – vão celebrar tudo de bom que o ano trouxe, mas não é só. Como afirma o presidente do Sindicato da Agências de Propaganda do Ceará (Sinapro-CE), Orlando Mota, é hora também de sentar e traçar planos para o ano eleitoral que se aproxima e mais: o momento de valorizar o bom momento da publicidade cearense que, segundo ele, se reafirma no mercado pela criatividade que tem. “Nosso negócio, no final da história, é a boa ideia. (…) É a grande bandeira da publicidade cearense“, ressalta Mota. Confira em seguida um bate-pronto com o publicitário sobre o assunto:

O POVO -Amanhã é comemorado o Dia Mundial da Propaganda. Qual a relevância dessa data para a publicidade aqui no Ceará?

Orlando Mota – É sempre importante celebrar uma profissão que movimenta uma cadeia econômica tão forte. As agências têm a função de disseminar um processo efervescente de ideias. Não existiriam veículos de comunicação, gráficas, produtoras de vídeos se não existissem as agências. Nessa data, as pessoas param e olham para quem pensa e conduz toda uma cadeia a partir do pensamento.

O POVO – A Sinapro vai ter alguma programação ou campanha especial?

Orlando Mota – Além da comunicação da data, a gente vai fazer um almoço entre as agências associadas, para repercutir tudo que fizemos neste ano. Nós nos organizamos, por exemplo, no sentido de ter uma sede própria e que seja espaço de confidências. Vamos repercutir também o fato de o Nordeste estar se destacando cada vez mais (no cenário publicitário) e de ter virado a bola da vez. Outra questão é que se até o ano passado fazíamos o FestPro nesse período de dezembro, agora vamos fazer no começo do ano. Assim, vamos nos preparar para o ano de 2010, reforçando a ética e a criatividade na publicidade cearense, vamos trabalhar de forma mais associativa também.

O POVO – Nesse aspecto, que pontos podem ser destacados na publicidade cearense?

Orlando Mota – O mercado publicitário cearense está se afirmando cada vez mais, somos líderes de qualquer premiação publicitária. Nossa propaganda é muito bem feita, apesar do PIB ser um dos menores do País. Pela criatividade nos afirmamos enquanto mercado. Nosso negócio, no final da história, é a boa ideia. Se ela não existir por trás de um anunciante, ele não vai funcionar. Reafirmar a criatividade é o grande barato, é a grande bandeira da publicidade cearense. O anúncio da Sinapro vai estabelecer discurso e homenagem, porque são quase mil pessoas que fazem a propaganda cearense. Eles têm que começar a olhar o mercado da forma positiva que somos vistos.





ENTREVISTARGET – ZECA MARTINS

2 12 2009

Conseguimos. Pulamos na frente e entrevistamos Zeca Martins. Esse é um daqueles publicitários que dispensam apresentações. Entretanto, é com prazer que escreveremos algumas linhas sobre ele.

Zeca Martins possui uma trajetória invejável. Construiu uma carreira sólida e de destaque em mais de 35 anos. Já fez um pouco de tudo: planejamento estratégico, criação publicitária, criação de projetos de marketing direto, professor universitário e autor de livros sobre Propaganda.

Falando em livros, quem nunca leu uma de suas obras? Leitura obrigatória para todo estudante de comunicação: Redação Publicitária – A Prática na Prática / Propaganda é isso aí! / Blog de Papel, Propaganda e Marketing / Deus é Inocente. Não é a toa que seus títulos foram adotados por universidades de todo o Brasil.

Zeca é formado pela ESPM – Escola Superior de Propaganda e Marketing e Pós-Graduado pela EAESP-FGV – Fundação Getúlio Vargas. Possui doze anos de experiência como docente, nas faculdades Senac, Faculdades Integradas Rio Branco, INPG – Instituto Nacional de Pós-Graduação, Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero, ESPM – Escola Superior de Propaganda e Marketing e UFPR – Universidade Federal do Paraná. Ufa!

Acha que acabou? Que nada. Zeca Martins também é palestrante. Já ministrou mais de 100 palestras nos quatro cantos desse país. Além disso, Zeca foi idealizador de dois projetos de leis, (um deles, Lei 10.674/03, já foi sancionado pelo Presidente da República) voltados aos portadores de intolerâncias alimentares.

Vamos lá:

1 – Nome, idade e onde nasceu?

Sou Zeca Martins, nascido em São Paulo, SP, em 1958. Tenho 51 anos, 35 dos quais envolvido com a propaganda.

2 – A sua trajetória na publicidade é muito grande, mas tem como resumir pra gente o que já realizou na área? Sente mais orgulho onde?

Olha, já fui ajudante de estúdio de fotografia, redator júnior, aspone (é isso mesmo que você pensou) do dono de uma grande empresa de comunicação de massa, marqueteiro de indústria farmacêutica, marqueteiro de confecção grande, gerente de comunicação de multinacional, redator free-lancer, consultor de comunicação de grandes editores de livros, redator senior de agência grande, diretor de criação… sei lá, fui muita coisa. Hoje tenho uma pequena editora de livros, chamada Livronovo, e estou felicíssimo. Meu negócio na vida é e sempre foi a comunicação.

3 – Existe uma fórmula para se tornar um excelente redator publicitário?

Fórmula mágica? Mas é claro que tem: ler muito e escrever muito, mas muito mesmo. Redação publicitária é irmã da criatividade, e ambas são filhas da vontade de trabalhar com o conhecimento amplo. Gosto de dizer que “escreve bem que lê bem, e lê bem quem lê bastante.”

4- A publicidade está em constante evolução. Quais são suas apostas para o futuro?

De uma coisa ninguém duvida: o futuro está na Internet. A questão que fica é como as coisas vão-se desenrolar naquele ambiente e em que tempo. Imagine uma escala logarítmica; pra facilitar, explico: pense nos trastes do braço de um violão, os espaços entre eles se reduzem numa escala logarítmica. Os primeiros cinco trastes ocupam, digamos, 20 centímetros. Os últimos cinco, ocupam talvez uns 5 ou 6 centímetros. Assim é o desenvolvimento dos meios de comunicação ao longo do tempo. Demoramos 500 anos para inventar uma alternativa razoável à prensa do Gutemberg, que foram os meios eletrônicos, o rádio e a TV. Nem cinquenta anos para criarmos uma alternativa a estes meios, a Internet. Dez para já estarmos irreversivelmente mergulhados na Internet. Sei lá, talvez só uns cinco anos nos separem da convergência total (ou quase total) dos meios de comunicação. Quando isso se concretizar, não saberemos mais distinguir um meio de outro, porque tudo será uma coisa só. Agora imagine: se o livro do Gutemberg foi mudando o mundo sozinho (renascimento, iluminismo, revolução industrial…), do que a Internet não será capaz? Responder a isso é o desafio que aguarda os novos profissionais de comunicação.

5- Você vai ministrar um seminário de redação corporativa em Fortaleza/CE. Qual a importância do assunto para as empresas?

É interessante notar que quanto maior é a capacidade de comunicação que temos (leia-se Internet) menor é o tempo que nos sobra para nos comunicarmos bem, porque a enxurrada de informações e solicitações é contínua e crescente. No ambiente de alta competição das empresas, quem se sobressai é quem se comunica melhor, com mais objetividade, com todos os níveis de profissionais e em todos os ambientes; do porteiro ao presidente, no interno e no externo.

Quando se sabe que, em média, um profissional passa duas horas do seu dia envolvido só com envio e respostas de e-mails, e que um e-mail mal redigido gera pelo menos cinco outros de dúvidas, imagine quanto tempo e dinheiro estão indo imperceptivelmente para o ralo. Isso só com e-mails!

Neste Seminário, vou apresentar uma série de técnicas para tornar a comunicação escrita de profissionais de todos os setores de negócios mais eficaz e produtiva. Vou fazer esses profissionais se olharem no espelho e se conscientizarem de que escrever com produtividade no dia-a-dia de trabalho não só é fácil, como também prazeroso.

Preciso ressaltar que não é curso de gramática nem de literatura, mas de técnicas de construção de textos voltados para negócios.

6 – Pode nos adiantar algo que veremos no seminário?

Claro. Veja alguns itens:

  • Como, quando e por que cortar seu texto
  • Escrevendo bem quando o prazo é curto (quase sempre é)
  • Escrevendo e-mails eficazes e com segurança
  • Sua proposta no topo das atenções

Até coloquei no meu site uma amostra-grátis. Por gentileza, clique em http://zecamartins.com.br/blog/2009/11/seminario-de-redacao-corporativa-amostra-gratis/

7 – Para finalizar, que dicas você daria para um jovem universitário de Publicidade e Propaganda?

A menos que você seja sobrinho de um grande anunciante, sua vida na publicidade não vai ser fácil. Por outro lado, se você parar de acreditar nos contos da carochinha que existem em nosso mercado (coisas idiotas como ‘publicitário é um gênio’ ou ‘basta ter uma sacadinha e você vira um bom redator’…) e trabalhar duro, se questionando a razão de cada ação, de cada decisão, de cada palavra escrita no papel, e se informar constantemente sobre tudo, não tenho dúvida de que em poucos anos você será um profissional completo e de sucesso (não confundir sucesso com conta bancária), enquanto o tal sobrinho do titio continuará sendo apenas um sobrinho de um titio.

E o melhor é que ele vai estar na terrinha. Dias 10 e 11 de dezembro, Zeca vai ministrar o 1º Seminário Cearense de Redação Corporativa. Vale muito a pena conferir. Veja abaixo:

É isso pessoas. Foi mais uma entrevista que gerou imensa satisfação. Legal para nós aqui da edição que conseguimos trazer alguém de renome para nosso mercado.

Abraços!





ENTREVISTARGET – MARCELO LAVOR

26 11 2009

Olá Targetnautas!

É com muita satisfação que o Target10 traz uma novidade: um canal de entrevistas. O nome não poderia ser outro, Entrevistarget.

A ideia é debater assuntos de grande relevância para o mundo publicitário. Ou seja, tem que ter conteúdo! E vamos trazer nomes de peso para as discussões.

E para essa grande estréia, nada menos que um grande publicitário: Marcelo Lavor.

Você viu aqui que a OAB passou por eleições para novo presidente. E a campanha do candidato vencedor foi realizada pelo Marcelo. O Target10 mandou umas perguntas e ele gentilmente respondeu. Confiram aí galera a entrevista com o tricampeão dessas eleições. (Isso mesmo, já é a terceira vez consecutiva que ele faz a campanha vitoriosa).

 

T10 – Nome?

Marcelo Lavor.

 

T10 – Idade?

Isso não é pergunta que se faça, mas de qualquer forma, nasci no ano mais importante da história do Brasil, 1958. Foi quando este país, perdeu a timidez e se abriu para o mundo: campeão mundial de futebol, bi-campeão mundial de basquete, construção de Brasília, bossa nova, miss mundo, o mercado publicitário adotava as primeiras técnicas… Enfim, foi um ano do “cacete”.

 

T10 – Formação?

Ex-engenheiro agrônomo, ex-professor de português, poeta adolescente, desbundado com Woodstock (40 anos vindo a pé!), e, por fim, formado em Comunicação Social pela UFC. Depois disso, muitos cursos de marketing, criatividade, de redação e planejamento.

 

T10 – Onde já trabalhou e que contas já atendeu?

Comecei em Fortaleza na Scala, a maior e melhor agência que o Nordeste já teve, depois de rápida passagem pela Terraço. Daí, ganhei o Brasil, com escalas em Teresina, Fortaleza (de novo), Goiânia, Brasília, São Paulo, Fortaleza (de novo, novamente), Manaus e Fortaleza (de novo, novamente, mais uma vez).

Sobre as contas, não cabem aqui. Entretanto, da “bodega da esquina” aos grandes grupos empresariais nacionais, já dei minha modesta contribuição.

 

T10 – Você tem um vasto currículo como professor. Onde já lecionou?

Durante alguns anos dei aulas de criação e história da P&P na Central Criativa – curso de extensão que formou muita gente boa e deixou saudades. Hoje me dedico à FANOR, onde ministro aulas de Redação Publicitária, Planejamento e Atividades do Comunicador Social – esta para alunos de comunicação, incluindo alunos de jornalismo.

 

T10 – O que foi determinante para que a campanha de Valdetário para a presidência da OAB se tornasse um sucesso?

Primeiro, um excelente candidato e um forte grupo de apoio e militância. Além disso, contei – como sempre – com a retaguarda da Promosell, onde não posso deixar de destacar a participação e o envolvimento de 2 profissionais excepcionais: o Diretor de Arte Ivan Costa e a Diretora de Mídia, Nira Andrade. Enchi muito o saco de ambos, mas valeu a pena. Com este time ficou mais fácil vencer. Mas alguns detalhes são sempre determinantes: adotar a cor certa (o amarelo), uma marca e um slogan que grudaram feito chiclete (OAB pra Valer!), a agilidade para transformar apoios e propostas em anúncios e peças que se transformaram em lideres de audência. O conjunto foi fundamental para conquistar mais essa vitória.

PS: são 3 vitórias consecutivas na OAB-CE, além da consultoria para o candidato Leonardo Avelino Duarte, que venceu as eleições da OAB-MS.

 

T10 – Existiu algum momento difícil na campanha? Você pensou que talvez não pudesse vencer?

Todas noites dormia vencedor e sempre acordava com a sensação de que precisaríamos trabalhar mais e mais para consolidar a vitória. Por outro lado, os adversários erraram muito – no que diz respeito à comunicação. E, é claro, nós nos aproveitamos de cada vacilo dos concorrentes – como fazer o candidato descer de helicóptero numa festa ou usar apoios indevidos como no caso da imagem dos apresentadores do Jornal da TV Cidade. Quanto mais eles erravam, mais a gente acertava.

 

T10 – Que referências você usou para construir a estratégia da campanha?

Experiências do marketing político-partidário e, principalmente, o “know how”  de campanhas anteriores.

 

T10 – Você é tricampeão das eleições da OAB. Obviamente tem um segredo para tantas vitórias. Pode revelar pra gente?

É só contratar a Marcelo Lavor e a Promosell que eu entrego o segredo!

 

T10 – Ano que vem tem eleições. Já existem planos?

Confesso que não me sinto animado para eleições partidárias. Até porque, particularmente, ando muito descrente com a classe política do Brasil. Mas, ainda tem muita água para rolar debaixo da ponte.

 

T10 – Que dicas você pode deixar pro pessoal que quer seguir na área de marketing político?

Rezem para que a classe política do Brasil melhore o nível, mas melhore muito, pois o nível atual está lastimável. E isso vale para todos os partidos. Quanto melhores os candidatos, melhor será o nosso trabalho. Outra coisa: a internet pode ser decisiva lá para os lados do Obama, por aqui, a história ainda é outra.

 

T10 – É isso. Muito obrigado Marcelo! Onde consigo uma foto sua?

No álbum de fotos da minha mãe.

 

Bom, o Target10 foi lá e conseguiu essa do cabeludo visitando os estudios da Rede Globo, o Projac:

 

É isso pessoas. Esperamos que o bate-papo tenha sido divertido e instrutivo para vocês como foi para gente. E aguardem que essa foi apenas a primeira de muitas quem vem por aí.

Abraços e continuem com a gente!